Metatags no blogspot

Na semana passada um leitor deixou uma questão na entrada sobre meta tags:

Tenho uma duvida sobre as meta tags no blogspot! uns dizem que é melhor colocar, e outros dizem que é melhor não colocar e deixar por conta do próprio google seria verdade isso?

Muitos dos textos e manuais sobre SEO aconselha ao uso incondicional de meta tags e até o próprio guia de optimização do google faz referência ao mesmo. Todavia, o guia é taxativo quando refere explicitamente em criar meta tags descriptions únicas para cada página.

Ou seja, há sites e CMSs em que é melhor não utilizar meta tags.

Por exemplo, quando as páginas recebem uma percentagem não negligenciável de visitas da chamada “cauda longa” – e essas palavras chave não podem ser todas incluídas na descrição.
Num site que tenho em mãos, uma loja com milhares de artigos para venda em páginas com muito pouco conteúdo, testo para ver qual das opções é a mais vantajosa – do ponto de vista das visitas e da conversão.

As meta tags também não fazem sentido quando não é possível, ou não faz sentido, criar metatags individualizadas para cada página. O wordpress.com experimentou incluir um excerto de texto das entradas enquanto meta description e abandonou a ideia depois de uma queda nas visitas.

É este o caso do blogspot. Mesmo que alterem o código no blogger para incluir o título e alguma informação extra na meta tag, estas não farão sentido (a não ser que o faça de uma forma programática e escreve de forma disciplinada para os motores de busca. Em 99,99% dos casos não é esse o caso.)

As meta tags devem ser únicas para cada página.

Criar uma meta tag na homepaga com o blogspot

É possível colocar uma metatag description apenas na página principal do blog, utilizando o seguinte código:

< mainpage>
< meta name="description" content="Exemplo de uma meta description" />
< /mainpage>

(Para usar o código terá de remover o espaço depois do “<")

Apesar de não aconselhar ao uso de meta tags noutras páginas, aqui fica as tags para páginas de arquivos e de entradas, respectivamente:

< ArchivePage>
< ItemPage>

Nota: aqueles que acompanham o MB sabem que por metatags eu refiro-me à meta description. Não há mal em usar meta keywords mas eu não perderia o meu tempo com isso.

Sitelinks chegam à blogoesfera Portuguesa

Sitelinks são links para páginas que, por vezes, aparecem destacados nos resultados de busca. Recentemente, vários blogs portugueses receberam sitelinks pela primeira vez. É o caso do Bitaites:

sitelinks para o bitaites

Ver página dos resultados (SERP).

A presença de sitelinks denota alguma confiança por parte do Google: os sitelinks são atribuidos apenas a sites de alguma autoridade. Outros blogues portugueses com sitelinks:

Tolnetwork
Webkaput
Linhas Orientadoras
Bijuteria Casaca
Webtuga
Rumble Pack
Ponto Sapo
Ideias Soltas
Low Cost
Planet Geek
Tubarão Esquilo
Tux Vermelho (SERP)
Reflexões de um cão com pulgas (SERP)
Certamente! (SERP)
O Insurgente (SERP)
31 da armada (SERP)
Causa Nossa (SERP)
A educação do meu umbigo (SERP)
Blogue dos Marretas (SERP)
Economia & Finanças (SERP)
Glória Fácil (SERP)

O Zero de conduta (SERP) é um caso único: os sitelinks apontam para a morada antiga no blogger.

O Marketing de Busca (SERP) também recebeu os seus sitelinks em algumas buscas.

Praça da República em Beja (SERP) já os havia recebido no início do ano.

O Google permite que os webmasters possam bloquear a apresentação de alguns destes sitelinks, o que já fiz. Nos próximos 90 dias dois deles não estarão visíveis nos resultados; o prazo recomeça a cada visita à página de bloqueio e os links removidos podem a qualquer momento ser desbloqueados. Para bloquear os sitelinks do seu blog entre no google webmaster tools e em links seleccione sitelinks.

Caro leitor, o seu site também foi contemplado? Indique outros blogs portugueses com sitelinks nos comentários.

Optimizar títulos no blogspot

A maioria dos novos temas disponíveis no Blogspot já se presta a uma correcta indexação das suas páginas individuais, todavia muito dos temas antigos ou aqueles onde o autor meteu a unha, têm problemas para ser indexados correctamente nos motores de busca.

Se o leitor é utilizador do blogspot não se importa de usar alguns truques para subir no Google eis como poderá optimizar os títulos em cada uma das páginas de entrada, dos arquivos e página principal: copie o código que a seguir se apresenta, faça as devidas adaptações, e substitua-o pela linha correspondente ao título no código html do template.

< MainPage>
< title>Marketing de Busca | Motores de busca, Seo, Google, Search< /title>
< /MainPage>
< Blogger>
< ArchivePage>
< title>Arquivos | Marketing de Busca< /title>
< /ArchivePage>
< ItemPage>
< BlogItemTitle>< title>< $BlogItemTitle$> | Marketing de Busca< /title>
< /BlogItemTitle>< /ItemPage>
< /Blogger>

Notem que existe um espaço em branco em cada uma das tags, logo após o “< ", que terão que eliminar antes de implementar no blogger. A implementação deste código é da responsabilidade do autor e deverá sempre guardar uma cópia antes de começar a fazer mexidas :-)

O uso do “|” é aqui apenas uma questão de preferência; há quem use “:”, “-” ou não tenha necessidade de acrescentar mais informação que o nome do blog ou da entrada. Pessoalmente, recomendo o uso do nome do blog no título em todas as páginas e, regra geral, depois do nome do título do artigo. As excepções, reservo-as para marcas fortes ou sites que dependem de buscas associadas à marca/entidade, onde o nome da marca deve surgir em primeiro lugar.

Visto primeiro no blog do Aaron.

Google introduz ficheiro robots.txt no Blogspot

Recentemente, e de forma aparentemente discreta, o blogger introduziu o ficheiro robots.txt nos blogs alojados em blogspot.com. O ficheiro pode ser encontrado na raiz do blog (em http://nomedoblog.blogspot.com/robots.txt ) e tem como único efeito o de bloquear as páginas de resultados e de etiquetas nos motores de busca:

User-agent: *
Disallow: /search

Ou seja, tudo o que esteja depois de /search não é indexado nem aparece nos resultados de busca. As etiquetas (tags ou labels, se preferirem) surgem no seguinte formato: http://nomedoblog.blogspot.com/search/label/etiqueta

Para a maioria dos utilizadores do blogger esta mudança é benéfica, uma vez que impede a indexação de páginas com conteúdos duplicados e remove do index páginas de pouco valor que consumem recursos.
Há, contudo, uma minoria que sai prejudicada, seja pelo uso que já fazem das etiquetas enquanto magnetes para os motores de busca, ou por terem adaptado uma navegação à base das etiquetas em vez do habitual arquivo histórico. O ficheiro robots.txt não pode ser editado pelos utilizadores do serviço gratuito.

No início da entrada classifiquei esta alteração de discreta. Com efeito, algumas buscas no Google devolveram apenas algumas discussões recentes em fóruns nos grupos do google e esta entrada de 14 de Julho num blog relativamente desconhecido, a mesma que me havia sido sugerida pelo Paulo “Palavras Cruzadas” Freixinho por email, ao qual agradeço a dica.

O seu blog trata os leitores como turistas?

Todos conhecem cidades em que dois ou mais espaços similares, separados apenas por algumas centenas de metros, praticam preços diametralmente opostos. Isto acontece sobretudo nos locais onde a procura turística é mais elevada. O leitor provavelmente reconhecerá nos atributos que se seguem as armadilhas para turistas da sua localidade: preços altos, evitado pelos locais, localizado junto ao percurso esperado dos turistas.

pageviewAlguns blogs e sites fazem o mesmo com os seus visitantes. Enchem o site com anúncios, forçam aqueles que pretendem alguma informação a cliques desnecessários, dedicam quase toda a atenção aos motores de busca e ignoram a clientela habitual, na busca interminável por mais pageviews. Para alguns esse é um modo de estar aceitável, para a maioria é uma forma de afastar os leitores e alienar novos interessados.

E muito fácil cair em tentação, faz-se uma entrada sobre um fenómeno como o btuga ou o assunto do momento, o contador dispara e já não se quer outra coisa. É o erro inverso ao que praticam a maioria dos bloggers: não sabem como utilizar os motores de busca para gerar tráfego. Daí que seja natural que mal aprendam sejam vítimas de uma pequena overdose. O tráfego pode ter este efeito viciante.

Seria imprudente encerrar esta série sem antes enumerar alguns dos erros mais frequentes de quem se inicia na optimização e toma o contador de visitas por guia:

- Escrever para o Google e ignorar os leitores. É possível conciliar os dois mas isso requer trabalho e algum engenho, algo a que nem todos estão dispostos. Para a maioria, o segredo está em trabalhar as entradas que podem render visitas nos engenhos, e ignorá-los na preparação das restantes.

- Abordar demasiados temas desconexos para ir buscar tráfego aos motores de busca. Num blog pessoal é perfeitamente natural e tolerável que o autor escreva por vezes sobre temas que não são do domínio do blog, mas quando se recorre ao expediente com frequência os leitores percebem a mensagem.

- Abuso dos links internos. Há cada vez mais blogs que em vez de ligar directamente fontes externas recorrem ao expediente de ligar páginas internas sobre a pessoa ou empresa para manter o visitante e optimizar o site. É algo que se encontra frequentemente nos sites dos media, e estes têm razões para isso: porque podem e porque sempre o fizeram.
Interrogo-me se por vezes não caio também em tentação.

- Ausência de créditos, seja por medo de perder o leitor ou para parecer mais inteligente. Um via ou fonte fica sempre bem, e é respeitado pelos outros bloggers.

- Anúncios por todo o lado, de todas as formas e feitios e quanto mais inesperados melhor. Alguns vão ao ponto de obrigar os leitores a ginástica mental para seguir o texto. Não é grande coisa para conquistra leitores mas aposto que as unidades de anúncios convertem razoavelmente.

- Feed parcial (olha, um link interno!) O feed é cada vez mais o ponto de contacto entre o blog e os seus leitores regulares. Que melhor sinal do que um feed parcial para indicar aos regulares “se querem mais vão ter que pagar” (dispender tempo.)

Conseguem lembram-se de mais algum? Creio serem estes os principais.

Tal como muitas empresas já aprenderam a conciliar os dois grupos e a servi-los de forma diferente também os blogs podem aprender a aproveitar as benesses dos sapos e dos googles para fazer crescer a sua audiência, influência, contador de visitas e porque não, a receita.

Optimizar blogs – a série

A série optimizar blogs surgiu para ajudar os bloggers a compreender e tirar partido do funcionamento dos motores de busca. Ao longo de sete artigos procurei oferecer alguma informação útil para os noviços e os mais experimentados:

1. Optimizar blogs para os motores de busca: reduzindo as assimetrias explica porque devem os bloggers prestar atenção aos motores de busca.

2. Porque gostam os motores de busca dos blogs A resposta está algures entre a arquitectura dos sites, os conteúdos trabalhados e actualizados e os…

3. Links, muitos links. Porque os links, tal como as recomendações são importantes para os motores de busca.

4. Factor decisivo no posicionamento, são os títulos. É importante usar palavras chave nos títulos.

5. Nos títulos e ao longo do texto, é necessário saber escrever para o Google e para a audiência.

6. Parte da optimização passa por terceiros e outros sites: Optimização off-site: promoção em directórios, na web social e noutros blogs. Não depende de nós mas podemos dar uma ajuda.

7. Para terminar convém estar atento a algumas armadilhas e erros frequentes de quem se entusiasma com tráfego dos motores de busca. Também tenho a minha quota ;)

Espero que a série tenha sido útil e, como sempre, a caixa de comentários está à disposição para reacções e sugestões.

Optimização de sites off-site para blogs

A optimização fora do site consiste em ter o blog referenciado noutros espaços como o sejam blogs, directórios, sites em geral – condição quase necessária para conseguir a atenção dos internautas. Pode ser feita de duas formas: por auto-submissão ou por promoção. Quando opino que a optimização fora do site (off site) está sobrevalorizada é à primeira forma que me refiro. Não pretendo com isso diminuí-la, apenas entendo que muitos bloggers lhe prestam demasiada atenção para os benefícios que daí poderão colher.

Directórios

Exemplo, os directórios. É muito boa ideia submeter os blogs aos directórios gratuitos do sapo, dmoz e blogblogs (Brasil) e pingar o technorati e o google blogsearch – as plataformas de blogs que conheço já o fazem automaticamente, mas convém verificar. Para além destes serviços existe uma centena de serviços, na sua esmagadora maioria em inglês, totalmente irrelevantes. Estes serviços desenham muitas vezes as suas páginas para distrair o visitante do seu intento original.

Um desses serviços, em português, que parece ser bastante popular a julgar pela quantidade de botões que vejo em blogs geeks, é o blog.com.pt. Este serviço é aquilo a que eu chamo de parasita do google, lista o blog e nem sequer um link dá (faz um redireccionamento temporário). Outro serviço que não é do meu agrado é o blogaqui. A ideia é bastante boa mas é para mim inaceitável o uso de frames para apresentar os blogs.

Para os mais empenhados na optimização do site, este tipo de serviços podem ser utilizados de uma forma inteligente: uso de palavras chave relacionadas para apresentar o blog, ie diferentes do título em si mas com o mesmo significado ou aproximado. Por exemplo, se eu um dia listar este blog nesses serviços poderei apresentá-lo como “marketing nos motores de busca”.

A web social

Disponibilizar ferramentas de bookmarking social, permitir que os visitantes guardem as entradas do blog no seu serviço favorito. Por exemplo, através do uso do plugin que localizei para Portugal ou da incorporação de alguns dos ícones e ligações no template que facilitem o uso do mesmo.

Alguns blogs publicam tags do technorati, conjuntamente com os seus artigos. As opiniões dividem-se sobre a sua utilidade e embora não tenha opinião formada, de uma coisa estou certo: é um excelente negócio para o Technorati pelos links que continuamente recebe. Se as vão utilizar sugiro que as incluam apenas em página de entrada e em localização discreta, e nunca na página principal. A não ser claro que queiram realmente sugerir aos vossos utilizadores a visita ao site.

Trackbacks

Trackbacks são, por assim dizer, comentários enviados a partir de blogs. Se eu comento uma história [entrada] de outro blog neste blog, envio um trackback para esse blog de forma a que o seu autor e os seus visitantes saibam que eu comentei a história. Diria que um blog que aceita e dá visibilidade aos trackbacks terá maior possibilidades de receber links, uma vez que oferece algo em troca. Contudo, apenas uma minoria dos blogs portugueses aceita trackbacks, o que se espera que mude em breve.

Comentários e links

Não é nada de novo, embora muitos bloggers ignorem que os comentários devem acrescentar valor à discussão. Há cada vez menos paciência para comentários “visita o meu blog” ou que se limitam a repetir banalidades. Mas experimentem deixar um comentário inteligente e bem formado e terão a minha atenção por alguns minutos. Possivelmente a de alguns leitores. Mais não prometo.
Outra forma testada e provada de obter a atenção de bloggers mais influentes, é incluir os bloggers no bloggroll, embora seja cada vez menos efectiva à medida que os bloggers vão recebendo mais links.

Finalmente, o feed: já quase todos os blogs disponibilizam feed RSS, embora nem todos percebam a importância de oferecer feed completo. Coloque o botão/link para subscrever o feed em local visível do blog, incentive os seus leitores a assinar o feed.

Basicamente optimização off-site para blogs é isto. Como já devem ter percebido nenhuma destas técnicas é substituta para artigos úteis, relevantes e bem escritos que os leitores do blog vão querer ler e recomendar.

Este é o sexto artigo da série optimizar blogs. Se gostou do que leu porque não utilizar o link que se segue e partilhar esta entrada? ;)

Escrever para o Google

Quando o autor se senta diante do teclado para preparas os seus textos tem frequentemente noção daquilo que o seu público pretende de si. Se o autor depende ou pretende a aprovação destes esforça-se por corresponder às expectativas.
Com os motores de busca passa-se exactamente a mesma coisa. A escrita ou edição para os motores de busca obedece a um conjunto de regras que visa obter a aceitação dos motores de busca e a respectiva compensação com um bom posicionamento para os termos desejados.

Optimização “no site” – escrever para os motores de busca

A optimização do texto para motores de busca não afecta qualidade deste – ou pelo menos não o deveria fazer. É verdade que o uso de metáforas sobretudo nas «gordas» é desaconselhado mas um texto bem optimizado será capaz de piscar o olho aos motores de busca e simultâneamente agradar aos visitantes. Até porque os primeiros evoluem no sentido de se colocarem na posição dos segundos.

Seguem-se algumas técnicas de edição recomendadas para textos de blos que no passado demonstraram ser efectivas, e que provavelmente continuarão a receber a aprovação do Google e C.ia:

O uso das palavras chave no texto

O uso de keywords ao longo é quase uma condição necessária para o posicionamento. As capacidades dos motores de busca são ainda elementares quando se trata de identificar sinónimos ou expressões próximas pelo que é frequente ver páginas em boa posição para uma palavra e que não aparecem para palavras substitutas – isto ocorre frequentemente com o plural e o singular.

Um conselho importante tanto para este factor como para os próximos é não exagerar. Textos carregados de palavras chave são facilmente filtrados pelos motores de pesquisa, para além de serem penosos de ler – lembre-se, os utilizadores sempre em primeiro lugar.

O uso das palavras chave no título do texto e em h1

De novo o título, confusos? ;)
Quando no artigo anterior da série referi o título do texto esqueci que este deve estar destacado dos restantes elementos da página. O h1, abreviatura de header 1 é o tag que sugere ser este o principal destaque na página. O uso dos demais headers (h2, h3…) de nota decréscimo relativo de importância. O seu uso pode, de forms natural com keywords e variações das mesmas, pode ajudar a melhorar o posicionamento. Idem para negritos e itálicos. A chave aqui é o destaque e a naturalidade (o abuso destas pode causar perda de posições).

Palavras chave em nomes de imagens e no atributo ALT destas

Incluir imagens com nomes descritivos e catalogadas com o atributo ALT (originalmente criado para navegação sem imagens) é uma forma de conseguir tráfico dos motores de busca de imagem. Se a imagem estiver relacionada e incluir as palavras chave é provável que ajude no posicionamento da página.

links internos

Links para páginas do mesmo site ajuda as páginas receptora, particularmente se o têxto-âncora utilizado for bem escolhido. Obviamente que um link einterno não possui a força nem a autoridade de um link externo mas sempre é uma forma de o autor do site referenciar o seu site, introduzindo afinidades e relacionamentos e dividindo algum do valor entre as suas páginas.

Links externos

Leia-se links para sites externos. Surpreendido?
Há bloggers que evitam até ao limite do ridículo ligar outros sites. Têm medo que os visitantes lhes fujam, ou de repartir um pouco do valor dos seus links. Não compreendem o valor dos links para sites terceiros.
Pensem em duas páginas iguais. Uma inclui alguns links para alguns dos melhores sites na sua área. O outro não. Qual é o mais valioso? Pois..
Links externos podem ter valor negativo quando os receptores se encontram em má vizinhança – sites percebidos como de spam ou sem valor, tanto absoluto como para a temática em causa.

Existem outros elementos da página que podem contribuir para um bom desempenho nos motores de busca mas para os fins a que esta série optimizar blogs se destina estes são mais do que suficientes. Deixo o mote para a próxima quinta-feira: os factores de optimização fora da página (excluindo os links que já foram abordados) – que em minha opinião estão seriamente sobrevalorizados para blogs.

Partilhar esta entrada: Plugin Share This em Português

Já devem ter reparado que alguns blogs incluem juntamente com as suas entradas uns ícones pequeninos com links para sites de favoritos sociais como o del.icio.us ou o stumbleupon e que permitem aos visitantes guardar ou partilhar as entradas de uma forma rápida. Na melhor das hipóteses incluem um discreto botão verde acompanhado das palavras Share this. Foi o Miguel quem me indicou o plugin original – o excelente share this do Alex King (tinha experimentado com um outro plugin semelhante, de seu nome gregarius, mas esse só causou problemas).

Instalei-o e, como não satisfeito, introduzi vários serviços relevantes para leitores portugueses como o Sapo tags, o Do Melhor e o os.marcant.es.

O resultado final é este:

plugin share this em portugues

Fazendo justiça ao nome do plugin, chegou a minha vez de o partilhar com todos os interessados:
Clique para descarregar Share-this PT (versão 2.0)

Actualizado 6 de Janeiro de 2009

Instalação

1. Descarregue o ficheiro partilhar_v20_pt_pt1.zip e expanda-o.

2. Carregue a directoria partilhar para o directório wp-content/plugins/. O resultado final deverá ser uma directoria wp-content/plugins/partilhar/ com um conjunto de ficheiros.

3. Leia o README, ficheiro constante da documentação ou veja aqui, por exemplo. O ficheiro contém instruções simples se pretende alterar a apresentação do plugin ou que este apareça somente em determinadas páginas (por exemplo, nas páginas de entrada).

4. Na página das extensões clicar Activar ou Activate no plugin Partilhar. Verifique as instruções se a sua versão do wordpress é anterior à 2.1 actualize o WP!

E é tudo. Simples, não é? Agora só falta dar uso ao botão ;)

PS: O Marketing de Busca é um blog sobre motores de busca, SEO, marketing e blogs; há até uma categoria dedicada o wordpress.
Se o tema lhe interessa subscreva agora o feed (clique aqui para abrir em nova janela).

Um bom Título é chave

O título é, de entre os elementos da página, o factor mais importante para um bom posicionamento nos motores de busca. Nos blogs, o título assume uma relevância ainda maior devido à forma como o software dos bloggers está, normalmente, estruturado. O título de uma entrada é, por defeito, utilizado no cabeçalho, como título do texto e ainda na url da página da entrada:

titulo blogue

Antes de avançarmos convém esclarecer de que falamos quando falamos em título. Nos blogs chama-se título àquele campo que preenchermos com… o título (ou nome) da entrada (na figura, I).
Em SEO chama-se título ao elemento do cabeçalho que é definido pela tag title (na figura, II). É a este “título”, que passa normalmente despercebido aos visitantes ao ponto de muitos webmasters não se darem ao trabalho de o editar (e que por isso é por vezes incluída entre as meta tags) que é atribuída maior importância no posicionamento da página.

As plataformas e software de blogs, advinhando que os bloggers não teriam nem formação nem paciência para editar uma ou outra trataram de fazer o título da entrada (I) como título da página (II) e usam-no para construir a url da entrada (na figura, III):

Dominios

O papel desta última no posicionamento é reduzido, sendo provavelmente mais relevante na conversão (o visitante que procura “domínios” vê na url a palavra sublinhada e tem mais uma boa razão para clicar).

A palavra-chave é: keyword

A razão pela qual os motores de busca atribuem tamanha importância aos títulos (no plural) deve-se ao uso deste como proxies do tema da página: o uso de determinada palavra no cabeçalho e no título da entrada é normalmente um indicador fiável do assunto abordado na página.
E, já adivinho a pergunta, não se pode manipular os rankings desta forma? Claro que sim e é por isso que os motores de busca analisam muitos outros indicadores e desenvolveram sofisticados algoritmos de indexação.

Como já devem ter compreendido a forma de obter maior visibilidade nos motores de busca que aqui se sugere é usar títulos que incorporam as palavras – keywords- mais susceptíveis de serem procuradas nos motores de busca. Palavras, ou conjuntos que despertam maior interesse e que podem resultar numa diferença de muitos visitantes no site.
Os bloggers devem pois utilizar keywords nos seus títulos para atrair os motores de busca sem esquecer, o interesse dos seus leitores. Esta deve ser sempre a primeira prioridade do título.

Algumas Dicas

Na próxima segunda-feira continuaremos esta série dedicada a optimizar blogs com os restantes factores de optimização no site.

Next Page →