Quais os melhores formatos para anúncios do Adsense?

A equipa do Adsense Português está a publicar uma série de 3 vídeos para optimização (eles dizem otimização) do Adsense.

O primeiro vídeo (abaixo) já está em linha e responde às dúvidas habituais sobre os melhores formatos de anúncios:

Sempre que alguém pergunta quais são os melhores tamanhos de bloco de anúncio, nós indicamos esses três:

* 300×250 – retângulo médio
* 728×90 – cabeçalho
* 160×600 – arranha-céu

Esses modelos comprovadamente trazem melhores resultados, tanto para editores como para anunciantes. Os anunciantes preferem esses formatos, por isso, se você permitir a exibição de anúncios de todos os tipos, você verá que os anunciantes segmentarão campanhas para seus sites com mais freqüência.

Por anúncios de todos os tipos leia-se anúncios de texto, imagens e vídeo. Nestas coisas o melhor é mesmo confiar no mercado, o Google escolhe sempre quem paga mais.

You need to a flashplayer enabled browser to view this YouTube video

Como sempre este tipo de conselho é genérico: o facto de determinados formatos converterem melhor não significa que sejam o ideal para o seu site.

O dístico Super Bock ou os anúncios Adsense?

É extraordinário que ninguém se tenha apercebido disto até hoje: o leitor Paulo Freixinho notou que a presença do dístico do Super bock Super Blog awards contraria os termos do Adsense, nomeadamente, onde se referem os conteúdos do site:

"Sites que exibem anúncios do Google não podem incluir:

(…)
Venda ou promoção de cerveja ou outras bebidas alcoólicas"

Não sei se o Google vai ou está sequer interessado em actuar, mas tenho poucas dúvidas que a presença do dístico no blog constitui uma forma de promoção de uma bebida alcoólica; é contrapartida directa pela possibilidade de ganhar algum dos prémio.

A presença do dístico oficial com link para a página oficial do concurso é condição obrigatória para a participação.

Spam no Google News

No outro dia descobri um vídeo do Shoemoney interessante. Na realidade o vídeo é banal mas o título é absolutamente brilhante (se ainda não deram conta, eu tenho uma predilecção por títulos): Don’t make Google look stupid – Period.
O tema são as penalizações pela venda de links e Shoemoney aponta a principal razão para penalizações do google: colocar em causa a credibilidade do Google, deixá-lo mal perante a audiência. Para o Google, pior do que o webspam, é o problema de relações públicas quando os seus resultado possam ser percebidos como de qualidade inferior ou manipuláveis. Alguns exemplos:

- A manipulação deliberada dos rankings através da compra e/ou troca de links, à vista de toda a gente à la John Chow. Pior do que todos os “delitos” de que o Google pudesse acusar Chow numa indústria cujas práticas são muito pouco claras, o seu exemplo servia de inspiração a muitos outros e levou muitos a forçar as defesas do Google.

- Venda de links em sites que toda a gente sabe que vendem links, e que os mesmos não passam valor. A penalização é aqui uma forma de envergonhar o prevaricador, quando não o de descontar o prémio que este poderá cobrar aos patos compradores de links.

- O diminuir do Google: Vende ó leitores, escrevo hoje esta entrada sobre “favas com coentros” e amanhã estou no primeiro lugar no google para “favas com coentros” porque eu é que percebo disto. Sou muito bom (e o Google faz aquilo que eu quero).
Na realidade, colocar “favas com coentros” no primeiro lugar poderá ser tão simples como somar dois mais dois mas não interessa ao Google que se passe a mensagem que alguém manipula o Google e dispõe dos rankings a seu belo prazer.

- Uma variante da anterior consiste em declarar conhecer todos os segredos do google: serve apenas para quem mantém um perfil baixo. Quando se constrói publicamente uma reputação com base neste conhecimento (alegado ou real) coloca-se em causa a eficácia do algoritmo da empresa.

- Spam puro e duro, sites criados para explorar uma brecha temporária na muralha do Google. Por alguma razão são cada vez mais raros nos resultados.

- Embaraçar o Google ao colocar em causa a seriedade de um projecto contestado externamente e envolvendo outras unidades de negócio.

Embaraçar o Google a sério

Recentemente descobri um site novo no Google News. O título do artigo parecia-me familiar e efectivamente era parte de um artigo do Digital do Público. Até a informação em clique em “ler mais” do original, lá estava. Corri uma busca e não havia dúvida: o site que o Google admitira para o seu serviço ao lado de Públicos, DNs e Expressos fizera indexar pelo menos 200 artigos raspados do Digital/ Público. Havia também textos de outros media e blogs sobre tecnologia. Mas há mais: muitos dos artigos que o Google News indexa não são mais do que comentários publicados num fórum transferidos automaticamente para este site para efeitos de monetização.

E como é que o site monetiza as visitas que o Google e o Google News lhe enviam? Adsense, pois claro. Do Google…

Chegados aqui, um qualquer Googler, daqueles que só não veste a camisola da empresa porque nunca a despiu, já deveria estar corado de vergonha. Mas há mais: No fim do artigo, surge em letras pequeninas o link (sem
âncora) para a página de onde a informação foi retirada, mas ao passar com o rato por cima verifica-se que o link de destino é diferente daquele que é apresentado, do género ipjornal.com/redirect/http://www.. Um 302 para evitar passar o link para o original?

Nope. Isto:
frame com anuncios

Uma frame com anúncios. Do Google. Acho que só aquele “ads by google” dissimulado é suficiente para excluir um webmaster do programa…

Adsense nos Vídeos do Youtube

O Google Adsense anunciou ontem uma novo grupo de anúncios contextuais: adsense para vídeos. O Google vai pagar a um grupo pré-seleccionado de autores de vídeos e ao mesmo tempo paga aos webmasters que publicam os vídeos nos seus sites. Os anúncios surgem no topo de um videoplayer especialmente concebido para os anúncios e sob o fundo semi-transparente do vídeo:

adsense video

Ao contrário do habitual player cujo código do vídeo webmasters e bloggers embebem nas suas páginas, este player exibe filmes associados ao tema de forma arbitrária e em playlist.
No Strategy Lab Umair cumprimenta a excelência do Google em revolucionar o Branding.

Google lança Adsense para Mobile

O Google anunciou ontem o lançamento de adsense para dispositivos móveis. Os anúncios estarão disponíveis dentro de algumas semanas para os parceiros que disponibilizem uma versão mobile do site, e para um conjunto limitado de países, que não inclui Portugal. Os anunciantes adwords terão os seus anúncios nos dispositivos móveis por pré-definição, a não ser que entretanto optem pela exclusão.

A notícia despertou em mim o interesse em criar uma versão móvel para o blog e, como seria de esperar, existe um plugin para wordpress que inclui a possibilidade de monetização através da Admob (obrigado, mas não) e as palavras mágicas “SEO Friendly”. Depois de instalado, o resultado é este:

site no telemovel

Mais tarde, e por sugestão do autor do plugin, tratarei de submeter um sitemap desta versão ao Google.

Se o leitor acede a este site por dispositivo móvel agradecia-lhe que partilhasse a sua opinião nos comentários.

Google, google e mais google

Uma entrada 100% google! Algumas novidades recentes do gigante da busca:

→ O Google vai acabar com as páginas suplementares, também conhecidas por “google hell”, ou pelo menos com a etiqueta que lhes surge associada. As páginas tidas por menos relevantes vão também passar a ser indexadas com maior frequência e farão parte dos resultados com maior regularidade, embora seja previsível que façam as suas aparições somente em palcos secundários. Provavelmente uma operação cosmética destinada aos webmasters que passam o tempo obcecados com estas “minudências”.

→ Já existe uma sintaxe para a nova Meta Tag unavailable_after proposta pelo Google. A declaração deve seguir o seguinte formato:

META NAME=”GOOGLEBOT” CONTENT=”unavailable_after: 30-Aug-2007 23:30:00 GMT”

Um documento com aquela linha no cabeçalho deixa de constar dos resultados do Google até ao fim do mês de Agosto – pode demorar um dia para ser expurgado dos resultados. A especificação da data foi adaptado para Portugal, na entrada do googleblog está “EST” (25-Aug-2007 15:00:00 EST) utilizada nos EUA, mas o formato sugerido não é claro sobre a declaração para outras partes do mundo.
Curiosamente este formato foi, aparentemente, declarado obsoleto.

→ O google vai passar a tratar o “_” (como se diz underscore em português?) nas urls das páginas como se fosse um hífen, ie, um separador de palavra. Até agora o Google lia_isto_como_uma_palavra. MAs-que-disparate!
Um indicador do peso do google no mundo do seo/sem é o facto de só após esta anúncio alguém se ter preocupado em saber qual o tratamento dado pelos outros motores de busca ao “_”. Resposta: sempre o trataram como separador de palavras…

→ Falando do peso do Google, a answers.com emitiu um aviso aos seus investidores por causa de uma mudança no algoritmo no Google – que resultou numa perda de 28% das visitas. Coisas que podem acontecer a quem recebe 80% do tráfego pelo Google…

→ Os webmasters já podem autorizar o robot de adsense a entrar nas secções do site protegidas por senha, a fim de optimizar a apresentação de anúncios. Particularmente útil para fóruns.
Instruções na consola do Adsense.

E foi AQUI

…nesta modesta garagem, que tudo começou.
garagem do google
Esta senhora alugou nos anos 90 a garagem que se vê na fotografia a dois rapazes que tinham na ideia criar mais um motor de busca. O resto é história.

A senhora acabaria por ser mais tarde contratada pelo Google e é creditada com a criação do Adsense. Pelo caminho apresentou a irmã a um dos geeks, hoje esposa. A casa foi comprada em Setembro pelo Google. Artigo no UsaToday.

Tutorial adsense em video

Se tem anúncios do google no seu blog ou site, gosta de fazer as coisas bem feitas mas não lhe compensa desperdiçar horas para aprender a optimizar o adsense, então este video tutorial do Google é para si.

O video fornece dicas sobre algumas questões básicas na implementação do adsense em sites: quais as melhores localizações de uma página para colocar anúncios, como ajustar as cores dos anúncios ao blog, formatos recomendados ou que convertem melhor e como avaliar diferentes unidades de anúncios.
(Link corrigido! via +t)