Google, onde está o meu cheque?

snippets do googleO Google começou na semana passada a apresentar resumos mais extensos em algumas buscas. Provavelmente para benefício do utilizador, certamente para benefício do Google.

Estará o Google a abusar e merecerão os autores dessas respostas uma fatia das receitas? E, já agora quem divide?

Resumos mais longos nos resultados

Uma das melhorias apresentadas pelo Google na semana passada são resumos (snippets) mais longos para pesquisas com mais de três palavras, a chamada cauda longa das buscas.

Como poderão notar na imagem acima, em vez dos habituais 160 caracteres, os resumos são agora mais extensos – até 250 caracteres. Nas palavras do fundador da empresa cuja tecnologia está na base das mudanças

“The results to the query are displayed immediately in the form of expanded text extracts, giving you the relevant information without having to go to the website – although you still have that option if you wish,”

Há muito que o Google serve respostas nos seus resultados, experimentem procurar a hora (ver tráfego defensivo), fazer conversões e operações aritméticas.*

Esta mudança deverá ser bem-vinda pelos utilizadores uma vez que lhes permite pré-verificar quais das páginas lhes apresenta os resultados que procuram. E pode até ser que encontrem a sua resposta já nos resultados, ainda que possam visitar o website, parafraseando Ori, “if they wish”.

O que ganha o Google

Para o Google o que é bom para os seus utilizadores é bom para o seu serviço. Todavia, não se fica por aqui: ao servir as respostas directamente nas suas páginas o Google está a diminuir o número de visitantes que envia para os produtores de conteúdos – o que é legítimo já que pode fazer o que bem entender das suas páginas.

O problema está em fazê-lo graças aos conteúdos dos mesmos. E ao fazê-lo vai diminuir as receitas dos mesmos e, presumivelmente, aumentar as suas.

Não tenho nada a apontar que o Google sirva directamente as respostas com os seus conteúdos, embora me seja indiferente. Que sirva essas respostas com os conteúdos de terceiros ao mesmo tempo que passivamente desencoraja o clique é pisar o risco do “evil”.

Os webmasters podem fazer alguma coisa?

Os produtores de conteúdos não têm grande poder negocial. A febre de conteúdos ditou que a informação seja hoje uma comodidade. As receitas da publicidade são miseráveis e haverá sempre alguém disposto a aceitar menos do que o vizinho.

Isso não significa que estejam condenados a dedicar-se a outras artes, até porque poderá estar próximo o dia em que parte da web esteja inacessível aos robots do Google. Entretanto podem começar por estudar as implicações de tópicos relacionados, a outra mudança anunciada:

We’re also keenly aware that they have 2 major areas of interest at Google (search wise) – behavioural targeting and context/concepts. This is in the paid search sector as well as the (cough cough) organic search. All of this means broader targeting processes

* Experimentem inserir uma soma ou multiplicação na caixa de busca do firefox (com o Google pré-seleccionado), tipo 332.88*2664, e terão o resultado como sugestão.

Comments

Comments are closed.